novembro 26, 2009

Na teoria, na prática

Nesses últimos dias tenho reservado um tempo a mais para acompanhar melhor a visita do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, às terras brasileiras. Mas infelizmente, o que tenho visto nos noticiários, em muito maior número do que a própria visita, são notícias sobre vários protextos vindos das mais variadas classes contra a presença desse presidente aqui.
A comunidade judaica protesta pelo fato do presidente Lula receber aqui um muçulmano que negou o holocausto. Ora, besteiras são ditas diariamente, essa não foi a primeira e com certeza não será a última. Estamos abrindo as portas para um líder muçulmano hoje, do mesmo jeito que abrimos as portas para um líder judeu há poucos dias atrás, recebendo o presidente de Israel, Shimon Peres, e em breve abriremos as portas para um líder palestino ao recebermos o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas; não me recordo de ter visto algum protesto contra a presença destes por aqui. O Brasil está cumprindo seu papel como país laico que é, recebendo sem distinções líderes judeus e muçulmanos. Nada além disso.
Partem de dentro do congresso também, discurssos veementes contra o presidente Lula, por estar recebendo no Brasil um líder que chamam de ditador e terrorista. Ora, o Brasil também mantem um programa nuclear em atividade, da mesma maneira que o Irã. A diferença está na conveniência de grande parte da liderença mundial em desqualificar o programa iraniano acusando-o de ter finalidade terrorista; o Iraque foi invadido por possuir armas nucleares, lembram-se: até hoje nada foi encontrado. O Brasil também tem um presidente reeleito, da mesma maneira que o Irã; a reeleição por lá ficou marcada por denúncias de fraudes feitas pela oposição, o que estranhamente não aconteceu por aqui dada a esmagadora diferença entre Lula e Alckmin ao final do pleito.
O Brasil, na sua atual posição de destaque como mediador perante a comunidade internacional está simplesmente fazendo o que deve ser feito, cumprindo seu papel como país em pleno exercício democrático. Aliás, esse é um ponto interessante. Partiram de dois dos principais partidos no cenário nacioanal os protestos contra essa visita: DEM - Democrátas e PSDB - Partido da Social Democracia Brasileira. Repudiaram a presença de Ahmadinejad no Brasil. Pregaram o isolamento do Irã no cenário mundial e o fim dos diálogos entre esse país e o Brasil. Atitudes claramente anti-democráticas E partem daqueles que carregam a democracia no nome.

2 comentários:

thebruna disse...

o brasil tem como mérito ser um pais muito democratico, um exemplo a ser seguido e só esta cumprindo seu papel como vc mesmo falou ... criticar é sempre mais fácil ;]
Ficou muito bem escrita essa sua joça ai! haha

:**

Cláudia disse...

Amei o texto.

Vc cresceu!! está com idéias ótimas...

Parabéns... (vou visitar seu blog sempre.)

Cláu :)


(* sou a mãe da Bruninha que mora na Pardal)

Postar um comentário